entainpartners - Fabricante é condenada após carregador causar incêndio em caminhão

0

Caminhoneiro entrou na Justiça contra fabricante após acidente com veículo. Cabine ficou destruído devido falha de carregador de notebook

Casal foi indenizado por danos morais e materiais pelo tempo parado sem fazer frete (Foto Ilustrativa)

A justiça determinou que uma indústria de eletrônicos indenize um casal que adquiriu um carregador portátil de notebook que teria causado um incêndio na cabine do caminhão dos requerentes. Conforme os autos, o homem é caminhoneiro e trabalha com sua esposa que o auxilia em todas as viagens de fretamento de cargas no país. A decisão é do Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

RecebanotíciasnoWhatsApp!
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
Assine nosso canal no Telegram

Segundo o consumidor, após colocar o notebook para carregar no veículo e entrou em sua residência. Cerca de 7 minutos depois, um outro familiar alertou que o caminhão estava pegando fogo. Ao conferir o veículo, percebeu que o incêndio destriuiu totalmente a cabine do transporte. Devido ao acontecimento, os autores teriam perdido contratos de fretamento e tiveram dificuldades de retornar para o mercado de trabalho e decidiram entrar na Justiça.

A empresa requerida, a Coletek Energia, com sua marca C3Tech, alegou ausência de culpa, destacando que, de acordo com o cupom fiscal, foram comprados dois produtos, porém o carregador portátil pode ser de qualquer marca fabricada no país. Foi defendido, também, que não há provas que o incêndio foi causado por mau funcionamento do produto.

Confira estes conteúdos que estão bombando:
DPVAT 2023: seguro obrigatório não será cobrado
Porsche 918 Spyder tem o IPVA 2023 mais caro do Brasil
BOATO: mensagem no WhatsApp engana sobre Taxa de Licenciamento

No entanto, o juiz da 1ª Vara Cível de São Mateus atribuiu responsabilidade à ré no que diz respeito ao defeito do produto, aos danos patrimoniais e extrapatrimoniais e ao nexo de causalidade entre o defeito do produto e os danos, constatando, através de imagens e vídeos, que o aparelho era o único ponto de contato elétrico no veículo.

Diante disso, o magistrado condenou a requerida a pagar o montante de R$ 5.125,30, referente aos danos materiais emergentes, assim como indenizar o casal por danos materiais pelos lucros cessantes, concernentes ao ganho médio perdido entre o período em que o veículo esteve no conserto. Por fim, a indústria deve indenizar o casal por danos morais em R$ 12 mil. (Fonte: Redação e TJES)